13/12/2012

Não Abras os Olhos . John Verdon OPINIÃO!!!!

Não Abras Os Olhos (Dave Gurney, #2)Não Abras Os Olhos by John Verdon

My rating: 3 of 5 stars





Razões da escolha do livro: Oferta da Porto Editora. Li o primeiro livro do autor, “Pensa num número” , que gostei bastante e como tal tinha curiosidade em ler este livro também.

Proveniência: Oferta Porto Editora/ A minha biblioteca.

A minha Opinião:

John Verdon surpreendeu-me muito com o seu primeiro livro policial, publicado pela Porto Editora também – Pensa num Número.

Por isso, quando saiu nas livrarias este “Não Abras os Olhos” fiquei imediatamente desejosa de o ler. Assim, devo agradecer à Porto Editora mais esta oferta e a oportunidade de ler mais um livro!

“Não Abras os Olhos” inicia-se com um crime que tem tanto de inesperado como de surpreendente: uma noiva é decapitada no dia do seu próprio casamento.

David Gurney, o inspector reformado que nos é apresentado em “Pensa num Número” é, mais uma vez, chamado a desvendar este misterioso acontecimento, tanto através da mãe da noiva como pelo seu amigo e antigo colega de profissão, Jack Hardwick.

Gurney, uma vez inteirado do que aconteceu, começa a investigar de tal modo que “ O tempo acelerava sempre quando a sua mente trabalhava a todo o vapor (…) isso apenas acontecia quando estava perante um enigma” – p.88.

A decapitação da noiva e todas as provas do crime tem meandros muito mais complexos do se poderia julgar à primeira vista “As peculiares complicações do caso (…) multiplicavam-se e geravam uma espécie de campo magnético que atraía Gurney para os problemas que normalmente repeliriam a maior parte dos homens”. – p. 89

Todos os indícios apontam para o jardineiro, Hector Flores, que todos pensam conhecer. Mas será que é realmente assim?

A complexidade da investigação leva Gurney a juntar-se à equipa de inspectores que já havíamos conhecido em “Pensa num Número” : o controverso Rodriguez, Sheridan Kline, Addo Blatt e Rebecca Holdenfield (que tanto no livro anterior como neste, é fulcral no estudo psicológico do crime e em quem Gurney confia plenamente).

A meu ver, aliás, a acção começa a ter maior interesse a partir deste momento, em que se juntam mais elementos policiais à investigação.

Esta ganha contornos cada vez mais sinistros, surgem novas informações e desenvolvimentos inquietantes e inesperados.

Mais uma vez, John Verdon coloca o tópico no factor psicológico: toda a trama relaciona-se com traumas psico-sexuais que são descritos minuciosamente e que até são perturbadores.

A acção ganha novo enfoque quando Madeleine é colocada em perigo….

Sexo, drogas, traumas psicológicos, excertos literários, desaparecimentos, são outras das temáticas interessantes neste romance policial e que prendem a atenção do leitor.

Gostei de estar perante Gurney novamente, com a sua forte personalidade, com o seu raciocínio lógico excepcional e com o seu modo de agir para encontrar toda a verdade, sobretudo quando quem mais ama é ameaçado!

O crime propriamente dito também é interessante e os suspeitos também. Contudo, o final apesar de surpreendente, não me cativou tanto como o de “Pensa num Número”. É inevitável estabelecer uma comparação entre os dois livros e, como tal, posso afirmar que gostei mais do primeiro (com mais acção, mais mistérios, maior número de crimes).

Contudo, este é um bom policial que recomendo e espero que a personagem David Gurney não fique por aqui e, não se esqueçam: “ Para a maior surpresa da tua vida, não abras os olhos” – p.515.

O melhor: David Gurney e o seu raciocínio lógico, Hardwick com as suas tiradas cómicas e o caracter psicológico envolvido no crime.

O pior: Alguma falta de acção sobretudo nas primeiras cento e cinquenta páginas.

O Autor:

John Verdon trabalhou durante vários anos como diretor criativo em agências de publicidade de Manhattan. Logo após o 11 de setembro de 2001, mudou-se para uma pequena localidade no Norte do estado de Nova Iorque, onde se dedica à escrita a tempo inteiro.

Pensa num Número, o seu romance de estreia, encontra-se publicado em 24 países.

A minha classificação: 5 – Bom.

Período de Leitura: De 11 a 20 de Novembro de 2012.

2 comentários:

Arttemizza Lia disse...

olá!

Deixei um selo no meu blogue para ti.

Beijinhos

http://arttemizzabooks.blogspot.pt/2012/12/selo-campanha-de-iniciativa-leitura.html

André Nuno disse...

Olá Estefânia.
A leitura de ambos os livros do autor leva-me a, no geral, concordar com a tua opinião. Também adorei Não Abras os Olhos (o título está muito bem escolhido), contudo esperava uma surpresa que não surgiu.
Aguardo a edição em Português do terceiro livro do autor, já disponível noutras Línguas.
Boas leituras!

Os Autores nas estantes

Agatha Christie (7) Albert Camus (1) Alexandre Dumas (2) Almudena de Arteaga (2) Amalia Decker Marquez (1) Ana Cristina Silva (2) Andrea Vitali (1) Andy Tilley (1) Anita Notaro (1) Anna McPartlin (2) Annie Murray (2) Anthony Capella (1) Antonio Hill (1) Arthur Schnitzler (1) Arturo Perez - Reverte (1) Audrey Niffenegger (1) Ayelet Waldman (1) Boris Vian (1) Bram Stocker (1) Brian Freeman (1) Camilla Lackberg (6) Care Santos (1) Carlos Ruiz Zafón (2) Cecelia Ahern (1) Charlotte Brontë (1) Colleen McCulloug (3) Dan Brown (2) Daniel Silva (1) David Foenkinos (1) David Nicholls (1) David Safier (1) Dennis Lehane (1) Diane Setterfield (1) Donato Carrisi (2) Edith Wharton (1) Elizabeth Adler (1) Elizabeth Edmondson (1) Elizabeth Gilbert (1) Elizabeth Haynes (1) Elizabeth Hickey (1) Eloisa James (1) Eric-Emmanuel Schmitt (1) Fabio Volo (1) Florencia Bonelli (1) Franz Kafka (1) Fred Vargas (2) George Orwell (1) George R.R. Martin (1) Gustave Falubert (1) Guy de Maupassant (1) H.P.Lovecraft (1) Harlan Coben (2) Haruki Marukami (2) Henning Mankell (2) Henry James (1) Inês Pedrosa (1) Isabel Allende (3) Iza Salles (1) J.K.Rowling (1) James Thompson (2) Jamie Ford (1) Jane Austen (2) Jean Rhys (1) Jennifer Haymore (2) Jessica Bird (1) Jill Abramson (1) Jô Soares (2) John Boyne (1) John Verdon (2) Jojo Moyes (3) Jonathan Santlofer (1) José Rodrigues dos Santos (5) José Saramago (6) Joseph Conrad (1) Jude Deveraux (2) Julia Navarro (1) Julie Garwood (1) Júlio Magalhães (2) Karen Kingsburry (1) Kate Jacobs (1) kate Morton (3) Ken Follett (5) Lars Kepler (3) Leo Tolstoi (1) Lewis Carroll (1) Lisa Gardner (1) Lívia Borges (1) Lucinda Riley (2) Luís Miguel Rocha (4) Machado de Assis (1) Madeline Hunter (2) Marguerite Duras (1) Mário Vargas Losa (2) Matilde Asensi (1) Michael baron (1) Miguel Sousa Tavares (1) Mo Hayder (1) Nicholas Sparks (2) Nicky Pellegrino (1) Nicolas Barreau (2) Nora Roberts (4) Nuno Markl (1) Oscar Wilde (1) Paulo M. Morais (1) Philippa Gregory (3) R.J.Palacio (1) Ricardo Araújo Pereira (1) Ricardo Menendez Sálmon (1) Richard Zimler (1) Robert Louis Stevenson (1) Robert Wilson (1) Rosamund Lupton (2) Rosamunde Pilcher (1) Sandra Brown (2) Sandra Worth (1) Sara Rodi (1) Sarah Addison Allen (3) Slavomir Rawicz (1) Stefan Sweig (1) Stephen King (1) Stephenie Meyer (4) Steven Saylor (1) Stieg Larson (3) Susanna Kearsley (1) Susanna Tamaro (1) Tara Moss (1) Thomas Mann (1) Torey Hayden (1) Tracy Chevalier (2) Wilkie Collins (1) WM. Paul Young (1) Yann Martel (1) Yasunari Kwabata (1) Yrsa Sigurdardóttir (1)